Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
6

Futebolista do Bahrein detido na Tailândia começa a ser ouvido para evitar extradição

Jogador diz ter sido preso e torturado no pequeno país do Golfo pérsico durante as revoltas da 'Primavera Árabe', em 2012.
Lusa 11 de Dezembro de 2018 às 04:29
Futebolista do Bahrein detido na Tailândia começa a ser ouvido para evitar extradição
Futebolista do Bahrein detido na Tailândia começa a ser ouvido para evitar extradição
Futebolista do Bahrein detido na Tailândia começa a ser ouvido para evitar extradição
Futebolista do Bahrein detido na Tailândia começa a ser ouvido para evitar extradição
Futebolista do Bahrein detido na Tailândia começa a ser ouvido para evitar extradição
Futebolista do Bahrein detido na Tailândia começa a ser ouvido para evitar extradição
Futebolista do Bahrein detido na Tailândia começa a ser ouvido para evitar extradição
Futebolista do Bahrein detido na Tailândia começa a ser ouvido para evitar extradição
Futebolista do Bahrein detido na Tailândia começa a ser ouvido para evitar extradição

O futebolista do Bahrein Hakeem al-Araibi, reconhecido como refugiado na Austrália, vai começar a ser ouvido esta terça-feira num tribunal tailandês, quando arrisca um processo de extradição para o país de origem, informou a advogada de defesa.

Detido há duas semanas na capital tailandesa, na sequência de um mandado da Interpol, Hakeem al-Araibi "está com medo e preocupado em ser extraditado", disse Natthasiri Bergman à agência de notícias Efe.

O futebolista diz ter sido preso e torturado no pequeno país do Golfo pérsico durante as revoltas da 'Primavera Árabe', em 2012.

Embora a Interpol tenha retirado a notificação a 04 de dezembro, Hakeem al-Araibi ficou desde então detido num centro de imigração em Banguecoque. O Governo australiano, organizações não-governamentais (como a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch) e a FIFA já pediram a libertação imediata do jogador.

De acordo com a advogada, o Ministério Público tailandês vai apresentar ao tribunal, ainda esta terça-feira, o caso contra Hakeem que, por sua vez, deverá informar os juízes que rejeita regressar ao Bahrein. No entanto, o processo judicial pode levar "entre cinco e seis meses", período em que o jogador vai permanecer sob custódia, acrescentou.

As autoridades australianas concederam o estatuto de refugiado em 2017 a Hakeem, que havia chegado àquele país em 2014, fugindo do Bahrein após ser condenado à revelia a dez anos de prisão por danos causados numa esquadra de polícia.

O futebolista, detido agora na Tailândia, refuta as acusações das autoridades, já que nos dias do ataque à esquadra encontrava-se fora do país num torneio de futebol, explicando-as como resultado de sua participação nas revoltas da 'Primavera Árabe' no Bahrein, em 2012.

A Tailândia não é signatária da Convenção das Nações Unidas sobre Refugiados de 1951 e tem sido criticada por enviar refugiados e requerentes de asilo para países onde podem enfrentar perseguição e tortura.

Ver comentários