Barra Cofina

Correio da Manhã

Desporto
2

FC Porto dá tiros nos pés após estar a vencer o Rio Ave por 2-0

Liderança agridoce para os dragões. Benfica pode fugir na classificação se vencer o Sp. Braga.
Filipe António Ferreira 27 de Abril de 2019 às 09:39
Desalento entre jogadores e técnicos do FC Porto no final do jogo em Vila do Conde
Conceição reconheceu falhas
Rio Ave - FC Porto
Rio Ave - FC Porto
Rio Ave - FC Porto
Desalento entre jogadores e técnicos do FC Porto no final do jogo em Vila do Conde
Conceição reconheceu falhas
Rio Ave - FC Porto
Rio Ave - FC Porto
Rio Ave - FC Porto
Desalento entre jogadores e técnicos do FC Porto no final do jogo em Vila do Conde
Conceição reconheceu falhas
Rio Ave - FC Porto
Rio Ave - FC Porto
Rio Ave - FC Porto
O FC Porto sofreu esta sexta-feira um surpreendente empate nos instantes finais do jogo com o Rio Ave e pode ver o Benfica aumentar para dois pontos a vantagem na liderança. Os dragões estiveram a vencer, mas sofreram dois golos que podem comprometer a luta pelo título.

Sérgio Conceição fez entrar a ‘fórmula Liverpool’ ao colocar Corona ao lado de Marega. Não resultou como no jogo da Champions mas tudo por culpa de um homem: Brahimi. O argelino mostrou desde cedo que estava nos Arcos para decidir.

Fê-lo aos 18’ numa jogada a que ele próprio deu início numa grande arrancada. Depois Otávio cruzou na perfeição para cabeceamento do argelino.

O FC Porto continuou a dominar e fez o 2-0. Rúben Semedo teve um alívio disparatado para Marega, que rematou já dentro da área, com a bola a embater em Júnio para o golo portista.

O Rio Ave veio do descanso mais pressionante. Bruno Moreira teve na cabeça uma hipótese flagrante para reduzir mas atirou por cima. Brahimi ainda teve nos pés a hipótese do 3-0, mas foi o Rio Ave que passou a ser mais perigoso.

Primeiro com um tiro à trave de Filipe Augusto, depois num remate venenoso de Nuno Santos. O jogador formado no Benfica viria mesmo a reduzir com classe. No minuto 90, o balde de água fria. Ronan levou ao desespero os portistas. Tem a palavra o Benfica, este domingo em Braga.

ANÁLISE
Jogo só termina no final
O Rio Ave, com algumas baixas (Galeno, Coentrão, Diego Lopes e Leandrinho) fez uma excelente segunda parte. Para além dos golos dispôs de mais duas grandes ocasiões para marcar. O Benfica que se cuide dentro de duas jornadas.

Defesas de papel
Se na primeira parte foi a defesa do Rio Ave que comprometeu, no segundo tempo foi a do campeão em título. Inadmissíveis as facilidades que a defesa do FC Porto deu ao Rio Ave nos minutos finais. Assim, revalidar o título fica muito complicado.

Penáltis por assinalar
Aos 9’ Semedo toca em Marega na área. O avançado ficou a pedir penálti. Uma questão de intensidade. Soares Dias decidiu (e bem) por não marcar penálti. No segundo tempo dois lances de mão na bola em ambas as áreas. Mal Artur Soares Dias na análise.

Conceição: "Assumo a responsabilidade"
"É ingrato, mas os culpados somos nós, a começar por mim. Oferecemos o primeiro golo e o segundo foi um ressalto. Assumo a responsabilidade. Mas estamos à frente por 1 ponto", disse Sérgio Conceição.

Yacine Brahimi saiu e o dragão afundou-se em Vila do Conde
o Casillas –Defesa complicada a remate de Nuno Santos na segunda parte. Sem culpas nos golos sofridos.
o Militão – Gabrielzinho deu que fazer mas só até ao primeiro golo.
o Felipe – Desatenções atrás de desatenções. Exibição para esquecer.
o Pepe – Dois cortes precisos que evitaram males maiores.
o Telles – Deu pouca profundidade ao flanco esquerdo. No 2-0 a bola desvia no corpo.
o Danilo – Entrou algo apático mas rapidamente tomou conta do meio-campo. Após o descanso foi perdendo fulgor físico e a equipa ressentiu-se.
o Herrera – Se já na primeira parte não esteve como de habitual, nos instantes finais mostrou-se desatento.
o Otávio – Um cruzamento com ‘olhos’ para o golo de Brahimi. De resto, pouco em jogo. Saiu no 2º tempo.
o Corona – De novo ao lado de Marega, esteve pouco em jogo e com ação limitada. Esforçado mas pouco mais.
o Marega – A profundidade do costume. Foi dele o remate que desviou em Júnio no 2-0. Teve mais uma boa chance mas voltou a atirar fraco.
o Manafá – Como extremo pouco ou nada se viu.
o Soares – Cobrou um livre que bateu na barreira.
o Bruno Costa – Sofreu falta perigosa.

Brahimi
O argelino não merecia o desfecho final. Entrou a toda a velocidade. Começou e terminou o lance do 1-0. Foi substituído e a equipa não mais se recompôs.
Ver comentários