Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Carteiro português dado como morto "acorda" a caminho da morgue

João Coutinho de Araújo é considerado um "homem milagre" que recuperou incrivelmente de um ataque cardíaco.
23 de Março de 2019 às 16:44
Carteiro
Carteiro FOTO: Direitos Reservados
Um homem português "ressuscitou" depois de ter sido considerado morto durante 21 minutos. O carteiro de profissão acordou quando estava a ser levado para a morgue, em Gloucester, Inglaterra.

Para os médicos, João Coutinho de Araújo, residente em Inglaterra, é um "homem milagre" que teve uma recuperação incrível após um ataque cardíaco.

De acordo com o canal Gloucester Liver, citado pelo jornal Mirror, o caso remonta a 18 de abril de 2009, mas só agora foi conhecido. João Araújo estava a terminar o serviço do trabalho quando sofreu um ataque cardíaco. Grazielle, a esposa, estava a ir para o trabalho e ficou aterrorizada quando viu os olhos do marido revirar e as mãos a apertarem o volante do carro com muita força.

Segundo a mesma fonte, também a língua do homem começou a enrolar-se e, para evitar que morresse asfixiado, a mulher meteu-lhe o telemóvel na boca enquanto chamou uma ambulância com a ajuda de um vizinho.

João Araújo foi levado para o Gloucestershire Royal Hospital onde esteve em tratamento e reanimação cardiorrespiratória durante seis horas, sem sucesso, tendo sido declarado morto às 16 horas. Os médicos informaram a mulher de João e o filho que, posteriormente, telefonaram para os pais em Portugal.

Foi durante o transporte dos cuidados intensivos para a morgue que o milagre aconteceu. As enfermeiras viram que João Araújo se estava a mexer. O corpo do português esteve morto durante 21 minutos. Passado esse tempo, a circulação sanguínea que alimenta o coração voltou a funcionar.

Mark Petersen, chefe da unidade de cardiologia do hospital, alertou a família para os possíveis danos cerebrais com que João podia ter ficado, devido ao facto de ter estado muito tempo sem receber oxigénio. A equipa hospitalar resolveu induzir o como ao homem durante três dias e quando acordou não conseguia processar informações corretamente. O homem achaca que tinha sido internado com um problema na garganta.

Esteve três semanas internado e só na segunda semana é que começou a apresentar melhorias. Quando recuperou foi enviado para outros hospitais em Bristol e Oxford. Depois de avaliado por sete médicos, todos disseram que o que tinha acontecido era inexplicável, pois não tinha histórico de problemas cardíacos e apresentava boa forma física.

Os médicos explicaram ao homem que o cérebro pode não ter enviado um sinal correcto para o coração. "Eles disseram-me que o cérebro é um mistério, é como uma caixa de Pandora", disse João ao canal noticioso.
Foi colocado um desfibrilador cardioversor implementável no coração de João. Um dispositivo programado para enviar um choque eléctrico para o coração quando ele pára.

Passaram 10 anos e o homem, de 48 anos, decidiu partilhar a história. E não foi a primeira vez que João Araújo consegue escapar à morte. Segundo o canal Gloucester Liver, o homem teve também um acidente em 2005, em Espanha. Terá perdido 90% de sangue e danificou o pâncreas e o fígado. Na altura os médicos disseram que João não iria sobreviver à operação, mas o impossível aconteceu.

Atualmente o homem diz que "dá mais valor às coisas. Agradeço todos os dias por estar vivo e por ter um emprego. Dou mais valor à família e aos amigos".
João Araújo Grazielle Inglaterra Gloucester Liver Mirror Bristol Oxford Espanha saúde
Ver comentários