Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Maduro desfila junto de 4500 militares na Venezuela

Presidente garantiu que os militares estão prontos para combater “traidores e golpistas”.
Francisco J. Gonçalves 3 de Maio de 2019 às 01:30
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro
Nicolás Maduro marcha com militares para mostrar apoio das Forças Armadas. Veja as imagens
Um dia depois de discursar na TV ladeado por um grupo de generais, para garantir que ‘o golpe de Estado’ foi derrotado, o presidente Nicolás Maduro quis sublinhar que tem o apoio inequívoco das Forças Armadas e desfilou esta quinta-feira pelas ruas de Caracas na companhia de cerca de 4500 militares.

A marcha aconteceu enquanto a oposição encenava novos protestos contra o regime que, como nos dias anteriores, foram reprimidos com violência.

"Sim, estamos num combate e é preciso manter o moral elevado para desarmar qualquer traidor, qualquer golpista", afirmou Maduro ante os militares, uma vez mais falando para todo o país num ato transmitido pela TV estatal.

Enquanto Maduro endereçava esse novo sinal de força à oposição, milhares de manifestantes foram atacados pelas forças da ordem em Caracas e dezenas de outras cidades.

A repressão custou a vida a pelo menos dois adolescentes, de 14 e 16 anos, o que eleva a quatro os mortos na nova vaga de contestação iniciada com o levantamento civil de terça-feira.

A Espanha confirmou, entretanto, que o opositor Leopoldo López está refugiado na embaixada espanhola em Caracas e aí permanecerá até a situação acalmar. A mulher de López revelou esta quinta-feira que a casa do casal foi saqueada por homens ligados ao regime.

Costa quer proteger comunidade lusa
O primeiro-ministro, António Costa, assegurou que o Governo está pronto para tomar as medidas necessárias para proteger a comunidade portuguesa e fez votos para que haja "uma transição pacífica" de poder na Venezuela.

Blackwater prepara força de mercenários
O antigo fuzileiro Erik Prince, fundador da firma de segurança privada Blackwater, que esteve envolvida em massacres no Iraque, quer reunir uma força de mercenários para ajudar o líder opositor Juan Guaidó a derrubar Maduro.

Desde há meses, Prince defende a criação de um exército privado de 5000 mil efetivos junto da administração Trump e tenta obter financiamento de exilados venezuelanos e de apoiantes do presidente.

PORMENORES
Trump condena regime
O presidente dos EUA alertou que "a repressão brutal" contra o povo venezuelano "deve terminar" de imediato.

Reunião entre Rússia e EUA
O chefe da diplomacia da Rússia, Sergei Lavrov, vai reunir-se na próxima semana com o homólogo dos EUA, Mike Pompeo, para debater a situação na Venezuela, país que conta com o apoio do Kremlin.
Ver comentários