Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
8

Redes sociais foram o braço armado do terrorista da Nova Zelândia

Brenton Tarrant publicitou o atentado, transmitiu-o em direto no Facebook e associou um Youtuber famoso ao massacre.
20 de Março de 2019 às 17:02
Brenton Tarrant é um dos autores dos ataques a mesquitas na Nova Zelândia
Terrorista Brenton Tarrant em tribunal
Carro de Brenton Tarrant tinha verdadeiro arsenal de armas de guerra
Brenton Tarrant é um dos autores dos ataques a mesquitas na Nova Zelândia
Terrorista Brenton Tarrant em tribunal
Carro de Brenton Tarrant tinha verdadeiro arsenal de armas de guerra
Brenton Tarrant é um dos autores dos ataques a mesquitas na Nova Zelândia
Terrorista Brenton Tarrant em tribunal
Carro de Brenton Tarrant tinha verdadeiro arsenal de armas de guerra
O atentado na Nova Zelândia da passada sexta-feira, que matou 50 pessoas, foi transmitido em direto no Facebook e rapidamente se tornou viral no Youtube e no Twitter.

Brenton Tarrant, autor do massacre, estudou ao pormenor a melhor forma de publicitar e difundir o ataque. Apenas uma hora após entrar em direto é que as redes sociais conseguiram apagar todo o conteúdo publicado pelo criminoso.

O terrorista utilizou uma câmara na cabeça para gravar o massacre e transmiti-lo em direto. A dificuldade que o Facebook e Youtube tiveram (e têm) em impedir a propagação do conteúdo violento, transmitido ao vivo, permitiu que milhões de pessoas assistissem ao cenário de terror nas duas mesquitas, na Nova Zelândia.

Brenton Tarrant promoveu o ataque e o live nas redes sociais aludindo a um famoso Youtuber, PewDiePie, seguido por milhões de pessoas e conhecido por publicar alguns vídeos polémicos e com comentários ofensivos contra judeus.

Rapidamente PewDiePie se demarcou de qualquer ligação ao ataque, mas a divulgação "não propositada" para os seus milhões de seguidores acabou por tornar Brenton Tarrant e o massacre na Nova Zelândia numa trend em todas as redes sociais e meios de comunicação.




Antes das próprias gigantes tecnológicas conseguirem reagir, o massacre foi transmitido em direto, publicado no Youtube, comentado no site Reddit e espalhado em toda a media internacional.

A estratégia de Brenton Tarrant passou ainda por publicar, antes do ataque, um texto onde exultava a supremacia branca e anunciava o ataque terrorista. Mencionou vários autores de massacres anteriores e supremacistas brancos nesse texto.

As suas redes sociais apenas foram apagadas uma hora depois do crime ter acontecido e após milhões de pessoas terem visto ao vivo o massacre e divulgado nas suas contas pessoais.

Para um analista que comentou o caso no canal televisivo CNN, a divulgação deste tipo de ataques incentiva outras pessoas a participar ou a imitar o sucedido. Mesmo involuntariamente, a divulgação do live ajudou o massacre de Brenton Tarrant a chegar a milhões de pessoas em todo o mundo.
Ver comentários