Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
6

GNR caça quatro milhões de euros em meixão

410 quilos de enguia bebé viva iam para países do Oriente.
Sérgio A. Vitorino 23 de Março de 2019 às 09:38
Apreendidos 110 mil euros  em notas, provenientes do negócio
Malas de viagem
Equipamentos para transporte do meixão
Apreendidos 110 mil euros  em notas, provenientes do negócio
Malas de viagem
Equipamentos para transporte do meixão
Apreendidos 110 mil euros  em notas, provenientes do negócio
Malas de viagem
Equipamentos para transporte do meixão
Quatro milhões de euros em meixão (enguia bebé) foram apreendidos, nos últimos dois meses, em investigações da GNR de Setúbal a redes de apanha ilegal da espécie protegida e tráfico, em malas de viagem especialmente equipadas, para o Oriente.

Em países como China, Vietname, Tailândia e Filipinas cada quilo de meixão vale até 10 mil euros.

O último golpe foi anunciado esta sexta-feira, com a apreensão de 200 quilos de meixão, avaliados em dois milhões de euros, e a detenção de 9 homens.

São portugueses, espanhóis e chineses "com elevada organização e diversas células espalhadas pela Europa", diz a GNR. Mas, constituídos arguidos, foram libertados pelo Ministério Público. Usavam ‘correios’ para levar as enguias bebé vivas para o Oriente.

Nesta operação, a GNR apreendeu (além dos 200 quilos de meixão), 110 mil euros em notas, dois carros com tanques especiais para transporte do meixão vivo, 70 malas de viagem preparadas para transporte internacional e tanques para manter os espécimes vivos.

Em janeiro a GNR de Setúbal apanhou 96 kg, avaliados em 960 mil €, e deteve 9 homens. Em fevereiro foram 114 kg, avaliados em 1,140 milhões, e cinco detidos.

O meixão é classificado como ‘espécie em perigo’ e os espécimes vivos foram devolvidos aos rios. A captura só é permitida no rio Minho.

Os detidos respondem por dano contra a natureza (até 5 anos de prisão), contrabando qualificado (até 3 anos), branqueamento de capitais (até 12 anos) e associação criminosa (prisão até 5 anos).
GNR Filipinas Setúbal Oriente China Vietname Tailândia Europa Ministério Público Minho crime lei e justiça
Ver comentários