Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
7

Mulher condenada a seis anos e meio de prisão por golpear inglesa rival

Arguida respondia por sequestro e ofensas à integridade física de jovem de 18 anos.
Ana Palma 8 de Maio de 2019 às 01:30
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
Tribunal de Portimão
Tribunal de Portimão
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
Tribunal de Portimão
Tribunal de Portimão
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
A britânica Leighanne Rumney foi esfaqueada no Algarve, em 2015
Tribunal de Portimão
Tribunal de Portimão
Seis anos e seis meses de prisão. Foi esta a pena a que foi condenada, esta terça-feira à tarde, no Tribunal de Portimão, uma mulher de 24 anos que respondia pelo sequestro e ofensas à integridade física qualificadas da inglesa Leighanne Rumney, a 26 de maio de 2015.

A vítima tinha 18 anos na altura dos factos.

O Tribunal absolveu, por outro lado, a mãe da arguida, de 40 anos, bem como um homem, de 22, que respondiam pelos mesmos crimes, por considerar que não foi feita prova da sua participação.



A mãe da arguida mais jovem provou, aliás, que estava nesse dia no consulado português em Dusseldorf, na Alemanha.

Desta forma, o Tribunal entendeu que os crimes foram praticados pela condenada e ainda "por um homem e uma mulher desconhecidos".

Na origem dos crimes estará uma vingança, uma vez que a inglesa teria um envolvimento com o companheiro da agressora.

Assim, a 26 de maio de 2015, a jovem foi sequestrada em Albufeira pelo trio e levada, de carro, para um lugar ermo, perto da Estação de Alcantarilha, onde, com tesouras e facas, as duas mulheres lhe raparam o cabelo, a agrediram e cortaram em várias partes do corpo, deixando-a totalmente nua e a esvair-se em sangue.

PORMENORES 
Insulta juíza
Mal ouviu a juíza proferir a sentença que a condenava a seis anos e seis meses de prisão, a arguida não se conteve e insultou-a repetidamente, em pleno tribunal. A magistrada mandou extrair certidão para um processo contra a arguida.

Arguida vai recorrer
A arguida vai recorrer da sentença, por não concordar com a decisão, revelou ontem ao CM o advogado de defesa, Tito Januário. Sobre os insultos à magistrada, reconheceu a gravidade da situação mas invocou um "estado emocional alterado" por parte da arguida.
Ver comentários