Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Pai de menina exige 50 mil euros a professor pedófilo

Arguido alegou estar doente para faltar ao julgamento em Braga. Arrisca dez anos de prisão.
Fátima Vilaça e Liliana Rodrigues 7 de Maio de 2019 às 01:30
Tribunal de Braga
Tribunal de Braga
Tribunal de Braga
Tribunal de Braga
Tribunal de Braga
Tribunal de Braga
Tribunal de Braga
Tribunal de Braga
Tribunal de Braga
Tribunal de Braga
Tribunal de Braga
Tribunal de Braga
A família da aluna, na altura com 14 anos, abusada pelo professor de educação física, numa escola pública de Braga, diz que a menina está fragilizada e que, até hoje, mais de dois anos após os abusos de que foi vítima, tem de ser medicada com antidepressivos.

O pai constituiu-se assistente no processo e pede que o docente seja condenado a pagar uma indemnização de 50 mil euros.

Esta segunda-feira, o professor de 50 anos, acusado de um crime de abuso sexual de menor dependente, de trato sucessivo, faltou ao julgamento. Alegou estar doente, mas o tribunal decidiu, mesmo assim, arrancar com a sessão.

O arguido, com 30 anos de serviço, foi afastado do ensino. Contestou o despedimento e recorreu para o Tribunal Administrativo e Fiscal (TAF) de Braga.

O caso remonta ao início de 2017. Na acusação, o Ministério Público de Braga defende que o docente, que era diretor de turma da menina, se aproveitou da posição que ocupava para abusar da aluna.

Foram as colegas da menor que denunciaram o caso à direção da escola - após terem encontrado mensagens de cariz sexual no telemóvel da amiga.

O professor foi detido pela PJ de Braga e manteve-se sempre em silêncio. Arrisca agora uma pena que pode ir até aos dez anos de prisão.

PORMENORES 
Está em liberdade
O professor foi detido pouco antes do início do ano letivo, em setembro de 2017, pela Polícia Judiciária de Braga. Foi libertado pelo juiz de instrução, mas foi afastado do ensino e ficou proibido de contactar a aluna.

Despedido em 2018
Quando o MP de Braga deduziu acusação contra o docente, a Inspeção-Geral da Educação e Ciência pediu ao Tribunal o despacho, para avançar com um processo disciplinar. A defesa do arguido opôs-se ao pedido, mas a juíza autorizou-o e, em abril de 2018, o professor teve como pena a demissão.
Ver comentários