Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
3

Predador de bebés gaba-se: “Eu tenho dois amigos pedófilos que são polícias”

Jovem acusado de mais de 72 mil crimes gabava-se de ter escapado à Justiça.
Tânia Laranjo e Débora Carvalho 1 de Maio de 2019 às 01:30
Predador sexual revela: “Tenho dois amigos pedófilos que são polícias”
Predador na Net
Predador na Net
Predador sexual revela: “Tenho dois amigos pedófilos que são polícias”
Predador na Net
Predador na Net
Predador sexual revela: “Tenho dois amigos pedófilos que são polícias”
Predador na Net
Predador na Net
O jovem de 25 anos, de Aveiro, acusado de mais de 72 mil crimes de abusos sexuais de menores, gabava-se de ter conseguido enganar a polícia.

Tinham apenas passado três meses desde que a Justiça lhe tinha aplicado uma pena suspensa e ele já garantia a outro pedófilo, brasileiro, que tinha tudo controlado. "Tenho dois amigos pedófilos que são polícias", assegurava.

Este é apenas um dos muitos desabafos que se podem ler nas conversas que manteve, na rede mundial de abusos sexuais a bebés que geria a partir de casa. Conversas em que o suspeito dizia que só não tinha ainda aberto um parque infantil, com serviço de babysitting, porque a condenação atrasara tudo. Pretendia cumprir os seus planos, fazer tudo para poder atrair mais crianças, já que ninguém tinha percebido que ele não era um "pedófilo normal".

"Conhece os procedimentos processuais penais de acordo com a lei portuguesa, nomeadamente as horas a que as buscas domiciliárias podem ser efetuadas", pode ler-se na acusação, na qual se dá conta ainda que o jovem se gabou ao brasileiro que tinha conseguido que lhe devolvessem um disco rígido que tinha sido aprendido. "Custou- -me os olhos da cara", escreveu.

Dos seus planos fazia ainda parte outra proeza. Vingar-se da inspetora da Polícia Judiciária de Aveiro que tinha investigado o caso da pornografia no Facebook, que resultou na pena suspensa. "Eu sei onde é a escolinha do filho", disse.

Outros pormenores da acusação mostram que este jovem não receava ser apanhado. Achava-se, aliás, demasiado esperto e contou ao amigo que lhe tinham sido aplicadas medidas de coação, nomeadamente a proibição de contactar com menores de 14 anos, e que há 7 anos era perseguido pela polícia. "Mas continuo a produzir filmes contendo abusos sexuais de menores."

Ainda segundo a acusação, o português que geria a rede de abusos sexuais de crianças na internet - a mais pequena tinha apenas um mês de vida - era cuidadoso.

"Ia fazer uma cirurgia plástica ao pénis para o modificar de forma a não ser reconhecido; diz que não produzirá mais ‘com rosto’ e que só manterá contacto em quem confia e será muito cauteloso ao adicionar novos contactos", pode ler-se no despacho que leva também a julgamento os seus pais, as suas primas e um amigo que abusava também de bebés.



PJ apanha predador pelas mãos
Foi a partir das imagens das mãos do pedófilo que a Polícia Judiciária conseguiu determinar a sua identidade. Um erro que lhe foi fatal, já que nas fotografias que eram colocadas na rede apenas as crianças eram visíveis.

"Foi através das mãos porque é nas mãos que temos as cristas. As imagens permitiram-nos, através de algum trabalho de preparação das imagens e técnico, considerado inovador, extrair as imagens com qualidade para proceder à identificação", conta Joaquim Rodrigues, responsável da área de identificação do Laboratório de Polícia Científica.

Para que esta identificação fosse possível foram necessárias pelo menos 12 correspondências. O caso já foi estudado fora do nosso país e a Polícia Judiciária chegou mesmo a ganhar um prémio internacional por ter conseguido travar este predador, com recurso à ciência.

Já tinha identidades falsas para escapar às autoridades
Quando foi preso, o suspeito já tinha dito ao brasileiro que tinha um plano B. Já possuía uma identidade de um norte-americano, com outro nome, e estava a à espera de um passaporte muçulmano, do Qatar, que lhe custou mil euros.

A confiança traiu-o e traiu também o amigo que o denunciou ao ser preso.
Ver comentários