Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
8

Procurador dá botão de pânico a vítima de violência doméstica

Juiz Neto de Moura retirou a pulseira ao agressor. Caso ocorreu em Matosinhos.
Ana Isabel Fonseca 27 de Março de 2019 às 08:48
Neto de Moura
Violência doméstica
Violência doméstica
Violência doméstica
Neto de Moura
Violência doméstica
Violência doméstica
Violência doméstica
Neto de Moura
Violência doméstica
Violência doméstica
Violência doméstica
A vítima de violência doméstica que vivia desesperada depois de o juiz do Tribunal da Relação do Porto Neto de Moura ter retirado a pulseira eletrónica ao agressor - medida que impedia a sua aproximação - tem agora um botão de pânico.

Quando acionado, as autoridades são alertadas. A decisão foi tomada pelo Ministério Público de Matosinhos.

"Apresentámos um requerimento a dar conta de que a vítima continuava a ser ameaçada, mas o Ministério Público já tinha aberto um inquérito depois de entrevistas em que a senhora revelava esses factos. Agora está mais descansada e sente que tem um escudo protetor", disse o advogado Álvaro Moreira.

O causídico apresentou ainda um outro requerimento ao juiz que tomou a decisão na 1ª instância, dando conta de que o agressor não está a cumprir as condições para que a pena de dois anos e oito meses fique suspensa.

A defesa alega que, além das ameaças, o homem continua a ter problemas de alcoolismo e que por isso a pena deve tornar-se efetiva.

A mulher foi maltratada durante 32 anos. O agressor chegou a rebentar-lhe um tímpano e a ameaçar com catana.
Ver comentários