Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal

Rui Mão de Ferro: “Eu só fazia o que me mandavam”

Durante três horas e meia o arguido negou ser um testa de ferro de José Sócrates e de Carlos Santos Silva.
Rita F. Batista 24 de Abril de 2019 às 08:48
Rui Mão de Ferro chegou ao Tribunal Central de Instrução Criminal acompanhado pelo advogado Carlos Pinto de Abreu
José Sócrates
José Sócrates
Carlos Santos Silva
Rui Mão de Ferro chegou ao Tribunal Central de Instrução Criminal acompanhado pelo advogado Carlos Pinto de Abreu
José Sócrates
José Sócrates
Carlos Santos Silva
Rui Mão de Ferro chegou ao Tribunal Central de Instrução Criminal acompanhado pelo advogado Carlos Pinto de Abreu
José Sócrates
José Sócrates
Carlos Santos Silva
Durante três horas e meia Rui Mão de Ferro negou ser um testa de ferro de José Sócrates e de Carlos Santos Silva.

O arguido no processo Operação Marquês prestou depoimento na fase de instrução e alegou que agiu sempre a mando de Carlos Santos Silva, o empresário para quem trabalhava na altura dos crimes e tido como o braço direito de José Sócrates.

Rui Mão de Ferro voltou a alegar aquilo que já tinha dito no requerimento de abertura de instrução: "Eu só fazia o que me mandavam", referindo-se a Santos Silva como o mandante dos atos ilícitos, apurou o CM.

Tudo o que fez foi sempre na sequência de indicações que recebia, atuou sempre de boa-fé, e os pagamentos que efetuou foram transparentes e faturados em nome da empresa XLM. Foram estes os argumentos que Mão de Ferro utilizou perante as perguntas que lhe foram colocadas em tribunal.

O Ministério Público acusa o empresário de ser parte integrante do esquema ilegal que fez passar vários milhões de euros pelas mãos do antigo primeiro-ministro José Sócrates.

É, assim, acusado de um crime de branqueamento de capitais, e quatro de falsificação de documento. Rui Mão de Ferro terá negado de imediato perante o juiz Ivo Rosa a prática de qualquer crime.

À porta do Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, Rui Mão de Ferro não quis responder às perguntas colocadas pelos jornalistas.

Dos 28 arguidos deste processo, o empresário faz parte dos 19 que pediram a abertura da fase de instrução.
Ver comentários