Barra Cofina

Correio da Manhã

Portugal
4

Governo ordena inquérito a alegado espancamento de dez formandos da GNR

Cerca de dez recrutas do 40.º curso do Centro de Formação da GNR, em Portalegre, sofreram graves lesões.
Lusa 2 de Dezembro de 2018 às 10:52
A carregar o vídeo ...
Cerca de dez recrutas do 40.º curso do Centro de Formação da GNR, em Portalegre, sofreram graves lesões.

O Ministério da Administração Interna ordenou este domingo à Inspeção Geral da Administração Interna a abertura de um inquérito sobre o alegado espancamento de dez formandos da GNR em treinos num curso em Portalegre.

Numa nota enviada às redações, o ministério refere que o inquérito visa o "apuramento dos factos e determinação de responsabilidade" sobre o caso.

Segundo o ministério, a confirmarem-se, estes factos "não são toleráveis numa força de segurança num Estado de Direito democrático".

No comunicado, o ministério acrescenta que o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, "pediu esclarecimentos ao Comando Geral da GNR sobre os factos descritos na notícia".

De acordo com a imprensa deste domingo, cerca de 10 guardas provisórios do 40º curso do Centro de Formação da GNR, em Portalegre, sofreram graves lesões e traumatismos durante o módulo "curso de bastão extensível", entre o dia um de outubro e nove de novembro. Um formador – apelidado de "Red Man", ou "homem vermelho" – terá espancado e humilhado os recrutas, deixando alguns sem sentidos e com lesões oculares, correndo o risco de perder a visão.

A ação de formação ocorre com o formador armado com luvas de boxe, chumaços, caneleiras e capacete protetor enquanto os guardas se apresentam apenas de calças e t-shirt, sem qualquer tipo de proteção e com apenas um bastão de plástico (PVC) revestido a esponja ou borracha.

Segundo a imprensa deste domingo, alguns dos recrutas foram mesmo assistidos e operados no Hospital São José, em Lisboa, correndo o risco de não concluir o curso de formação e, assim, não assumirem em definitivo a profissão.

O curso de formação da GNR, que termina no próximo dia 14 de dezembro, integra 599 alistados divididos em pelotões, cada um com 35 a 40 recrutas.

Durante o "curso de bastão extensível", cada guarda provisório tem de controlar o formador durante dois minutos e depois esperar que todos os elementos do pelotão terminem o exercício.

GNR confirma 'ocorrência' e que decorrem averiguações a alegado espancamento a formandos
A GNR confirmou este domingo a 'ocorrência' numa ação de formação de dez formandos, que alegadamente foram espancados, e que decorre um processo de averiguações ao caso ocorrido em Portalegre.

"Confirmamos a ocorrência e que foi determinado um processo de averiguações, que não está concluído", afirmou à agência Lusa o porta-voz do Comando Nacional da GNR, Helder Barros.

O Ministério da Administração Interna ordenou este domingo à Inspeção Geral da Administração Interna a abertura de um inquérito sobre o alegado espancamento.

Segundo o Ministério, a confirmarem-se, estes factos "não são toleráveis numa força de segurança num Estado de Direito democrático".

No comunicado, o Ministério acrescenta que o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, "pediu esclarecimentos ao Comando Geral da GNR sobre os factos descritos".

Associação Nacional de Sargentos da Guarda afasta cenário de agressões
O presidente da Associação Nacional de Sargentos da Guarda, José Lopes, afastou este domingo o cenário de agressões na formação da GNR em Portalegre, mas considerou que, a haver lesões, "é grave" e que deve haver apuramento de responsabilidades.

"Não quero acreditar que tenha havido agressões, porque haveria dolo, e tornaria o caso ainda mais grave porque há lesões com gravidade", disse José Lopes à agência Lusa, num comentário ao alegado espancamento de dez formandos da GNR.

O dirigente associativo explicou ser "normal" algumas lesões nos exercícios de 'red man' (homem vermelho), "mas não deste tipo", já que se simulam alterações da ordem pública. No caso noticiado terá havido recrutas que perderam os sentidos e com lesões oculares.


Ver comentários