Barra Cofina

Correio da Manhã

Sociedade
1

Marcelo diz que jamais serão esquecidas as personagens de Laura Soveral

Presidente da República lamentou a morte da atriz.
Lusa 12 de Julho de 2018 às 15:54
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
Marcelo Rebelo de Sousa
O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse esta quinta-feira que jamais serão esquecidas as personagens interpretadas por Laura Soveral, nem o seu papel no cinema, numa reação à morte da atriz, ocorrida esta quinta-feira de madrugada, em Lisboa.

"Não esqueceremos as personagens que nos deixou, altivas como a Maria Prazeres de 'Uma Abelha na Chuva', comoventes como a Aurora de 'Tabu', porque foi em Laura Soveral que os nossos cineastas pensaram, quando quiseram que o cinema português fosse moderno", afirma Marcelo Rebelo de Sousa, na mensagem de pesar publicada no 'site' da Presidência da República.

A atriz Laura Soveral "fica sobretudo como presença fundamental do cinema português, em 'Uma Abelha na Chuva', de Fernando Lopes, e em 'Tabu', de Miguel Gomes, mas também em 'Francisca' ou 'Vale Abraão', de Manoel de Oliveira", escreve Marcelo Rebelo de Sousa, que lembra igualmente a participação da atriz nos filmes de José Fonseca e Costa, José Álvaro Morais, João Botelho e Teresa Villaverde.

O Presidente da República recorda ainda a interpretação de atriz em textos de Kafka e de Arthur Miller, com o Grupo de Ação Teatral, no Teatro Villaret, em 1970/71, e sua versatilidade, assinalada desde o início da carreira, com os prémios de Melhor Atriz de Cinema e com o Prémio Bordalo da Casa da Imprensa, em Teatro.

Laura Soveral morreu esta quinta-feira, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, vítima de Esclerose Lateral Amiotrófica, disse à Lusa a filha da atriz.

Nascida em Benguela, Angola, em 23 de março de 1933, Laura Soveral fixou-se em Lisboa, nos anos de 1960. Estreou-se em 1964, no Grupo Fernando Pessoa, dirigido por João d'Ávila.

O magazine literário Hospital das Letras, de David Mourão-Ferreira, dramas como "O Homem Multiplicado", de Herlander Peyroteo, e "As Preciosas Ridículas", de Jorge Listopad, estão entre as produções televisivas em que participou, a par das telenovelas "O Casarão" e "Duas Vidas", da Rede Globo, em que atuou, quando se fixou no Brasil, na década de 1970.

A telenovela "Belmonte", emitida pela TVI em 2014, foi a última em que participou.

Nos palcos, trabalhou com companhias como Teatro da Cornucópia, Teatro Experimental de Cascais, Novo Grupo/Teatro Aberto e A Barraca, tendo participado em encenações como "O avarento", "A Casa de Bernarda Alba", "O processo de Kafka", "D. Quixote" e "Primavera Negra".

Em 2013, fez a derradeira atuação em teatro, com "O Público", sobre textos de Federico García Lorca, com encenação de António Pires, numa produção conjunta do Teatro do Bairro, com o Teatro São Luiz, em Lisboa.

No cinema, as últimas atuações de Laura Soveral, depois de "Tabu", passaram por "Cadências Obstinadas", de Fanny Ardant, e "Os Maias - Cenas da Vida Romântica", de João Botelho.

A Academia Portuguesa de Cinema distinguiu-a com o prémio de carreira, em 2013, e com o Prémio Bárbara Virgínia, de homenagem a mulheres do cinema português, em 2017.

Na altura, a academia disse que Laura Soveral representa "um extraordinário exemplo de determinação e profissionalismo para gerações futuras".
Ver comentários